sábado, 9 de abril de 2011

Moeda a moeda

Foz do Minho, Caminha

Aos vinte anos, julgara-se liberto de rotinas e de ideias feitas que paralisam os nossos actos e armam de antolhos o nosso entendimento, mas depois passara a comprar, moeda a moeda, aquela liberdade de que julgara poder apossar-se logo à primeira. Nunca se pode ser tão livre quanto se deseja, quanto se quer, quanto se teme, quiçá tanto quanto se vive.

Marguerite Yourcenar, A Obra ao Negro, Planeta de Agostini, p. 115

17 comentários:

  1. CAMINHA, um encanto de localidade.
    Muito bem escolhido estetexto da Marguerite, SARA.

    Um beijo.

    ResponderEliminar
  2. Sara
    São tantas as definiçoes de Liberdade e ainda assim nao a sabemos distinguir se somos ou nao livres , são tantas as escolhas que temos que fazer durante todo o tempo , escolhas responsáveis que a total liberdade pode ser mascarada .
    Marguerite Yourcenar disse bem, muitas vezes" compra-se moeda a moeda"
    Belíssimo o P&B
    um lindo fim de semana
    aqui vamos abafando as lágrimas pra poder pensar que nada de mais ruim poderá acontecer para os brasileiros .
    beijinhos

    ResponderEliminar
  3. Sara,
    Aos 20 anos olhamos para as coisas e tudo parece ao nosso alcance. No fundo o caminho está apenas se insinua, mas talvez esse seja o mote para o início da jornada.

    Beijo :)

    ResponderEliminar
  4. Olá Sara
    Li este livro a primeira vez, era adolescente. Na época não o compreendi, achei-o demasiado complexo...O seu protagonista muito "avançado" num contexto que parecia não condizer...
    Mais tarde (estava grávida das gémeas e fui obrigada a estar de repouso...imagina!!!) voltei a lê-lo e li tudo de forma diferente...

    "ainda há pouco, ao dar com o caminho no labirinto das vielas de Bruges, julgara ele que uma paragem destas, assim afastada das grandes rotas da ambição e do saber, havia de proporcionar-lhe um certo repouso, após trinta e cinco anos de agitação. Contava encontrar a inquieta segurança de um animal consolado com a estreiteza e a obscuridade da toca que escolhera para viver" Yourcenar "A obra ao negro". p:150

    Engano achar que, depois de algumas conquistas a muito custo conquistadas, deixaremos cobrir-nos pela escuridão de estados letárgicos...
    Bjs grandes para ti e tb um bom fim de semana

    ResponderEliminar
  5. A P & B ficou mesmo linda! mas ao vivo então...tem o cheiro e a cor!!;)

    A liberdade..julgamos tê-la entre nossas mãos, mas será que realmente a temos? Não seremos nós todos condicionados pelo exterior?pelos outros e seus ideais?
    tenho as minhas dúvidas..

    bom resto de fds!
    bjka

    ResponderEliminar
  6. Às vezes penso nunca somos libertos de verdade. Porque senao nao estaríamos a pagar moeda por moeda a cada situação em que saímos da linha, e nem falo de algo tao grave assim, mas coisas simples tao criticadas e julgadas. Mais ou menos como aquela máxima "olho por olho, dente por dente", que encerra a ideia que aquilo que fazemos de errado, pagaremos. Nao sei se me fiz entender, espero que sim!

    Beijinhos e bom fim de semana também!!

    ResponderEliminar
  7. A liberdade é sempre um caminho a percorrer!

    A foto está bestial!

    ResponderEliminar
  8. Apesar de gostar da obra de Marguerite Yourcenar, nunca li esta obra e fiquei com curiosidade. A fotografia é sua? É lindíssima.

    ResponderEliminar
  9. Obrigada a todos pelos comentários. O conceito (e a prática) da liberdade é sempre um bom mote para reflexão...

    Margarida: recomendo vivamente esta obra de Yourcenar. É para mim uma obra-prima, muito próxima de "As Memórias de Adriano". De igual modo, a escritora desvela toda uma época, no caso o Séc. XVI e fá-lo com extraordinária mestria.

    Quanto à foto, foi tirada por mim e depois tratada com a ajuda do Picasa :). Portanto, uma autoria conjunta. Que bom que gostaram! Foi tirada a partir de um pontão fantástico que construíram por lá, entre a mata do Camarido e o rio Minho. Foi num passeio matinal, em Agosto de 2010, que fotografei esta perspectiva.

    Bom Domingo para todos! :)

    ResponderEliminar
  10. É sem dúvida uma obra a ler e magnífica! Já a li há uns anitos alguns pormenores estão esquecidos mas a essência do livro não.
    Venho agradecer as suas palavras.
    Bom Domingo, cheio de sol!:)

    ResponderEliminar
  11. a liberdade é algo que não conheço…mas persigo!

    ResponderEliminar
  12. Aos vinte anos somos os donos do mundo e da verdade!Aos sessenta sabemos que tudo tem de ser conquistado. Até a serenidade que é transmitida por essa magnífica foto:)))

    ResponderEliminar
  13. É assim mesmo. Mais do que a liberdade total, importa tirar o máximo partido da liberdade possível, tantas vezes desperdiçada.

    Beijinho enorme e uma óptima semana!

    ResponderEliminar
  14. Lindissima foto, Sara! Para mais, a preto e branco! Gosto tanto!
    Bjs!
    Boa Semana!

    ResponderEliminar
  15. Boa noite, Sara
    A MY é uma escritora que leio com muito interesse.
    Lembro desse livro e gostei imenso.
    A passagem que transcreves é admirável.

    Leste «As Memórias de Adriano»?

    Bjs

    ResponderEliminar
  16. Uma boa eleição na coordenação texto imagem. Gostei, e muito!
    Gosto desta terra.

    Caminha!...
    Ao outro lado La Guardia
    e um rio pelo meio.
    Parece perto,
    mas que longe estás!
    Caminhos sinuosos
    que um dia percorri
    para verte, Caminha,
    de frente... e, te vi!

    Um grande abraço, e o meu agradecimento

    ResponderEliminar