sábado, 7 de maio de 2011

Jogos do espírito

Pablo Picasso, O Sonho, 1932

À cabeceira dos doentes, acontecera-lhe muitas vezes ouvir contar sonhos. Também ele tivera os seus. As pessoas contentavam-se, geralmente, em extrair dessas visões presságios às vezes certos, dado que revelam os segredos daquele que sonha; ele, todavia, pensava para consigo que tais jogos de espírito entregue a si mesmo tinham, sobretudo, a possibilidade de revelar a maneira como a alma se apercebe das coisas. Punha-se a enumerar as qualidades das substâncias que via em sonhos; a leveza, a impalpabilidade, a incoerência, a total liberdade em relação ao tempo, a mobilidade de formas de uma pessoa, que faz que cada qual seja muitos, e vários se reduzam a um só, o sentimento quase platónico da reminiscência, o sentido quase insuportável de uma necessidade.

Marguerite Yourcenar, A Obra ao Negro, Planeta de Agostini, p. 194

18 comentários:

  1. É pura coincidência trazeres aqui a Marguerite Yourcenar ?

    Como a ela me referi na resposta à RUTE no jardim...

    Muito bem utilizaste " a mobilidade de formas de uma pessoa, que faz que cada qual seja muitos" neste SONHO do Picasso.

    Um beijo.

    ResponderEliminar
  2. Foi coincidência, João. Acabei há pouco de ler o "A Obra ao Negro" e este foi um dos excertos que quis partilhar convosco. A propósito, não sabia que a Marguerite Yourcenar andou pelo Porto e ficou encantada com a Ribeira e a Sé. Muito bom! :)
    Obrigada e um beijinho.

    ResponderEliminar
  3. Gosto muito de Marguerite Yourcenar, mas nunca li este livro. Tenho de ler. Bom Domingo!

    ResponderEliminar
  4. Querida Sara
    tens um dom especial de libertar do que lês, as palavras mais lindas e profundas...acho que vou voltar a ler este livro, pois assim como os sonhos, a cada leitura permitir-me-ei vivenciar a impermanência!!!
    Num congresso, sobre oncologia, que fui há dias alguém disse: "sem sonhos não há matéria prima para se construir a realidade e os sonhos são uma expectativa razoável".... eu acho que sim!

    bjs grandes

    ResponderEliminar
  5. E a fragilidade dos sonhos quando se desperta, se desfaz
    e esse "sentido quase insuportável ... " de sonhar como se o fosse um porto seguro ?
    é tudo tao fugaz e tão breve !
    os tais "jogos do espírito"
    que sonhemos, pois .
    Gostei do fragmento Sara , o livro pareceu-me muito bom.Obrigada pela dica ,implícita.
    Lindo pincel de Picasso.
    abraços

    ResponderEliminar
  6. Bem haja por ter conduzido Marguerite Yourcenar até nós. É sempre uma excelente escolha porque aprendemos muito com essa grande senhora.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  7. Saramiga

    Encontrei-te no Interioridades do A.C. que escreve muito bem e com muito critério, bom gosto e sensibilidade.

    E foi esse critério, bom gosto e sensibilidade que vim encontrar também aqui. Obrigado.

    Marguerite Yourcenar, bela recordação. Foi como jovem jornalista ou jornalista jovem que tive a felicidade de a conhecer nos Estados Unidos. Foi já no seu período de orientalismo místico.

    Consegui chegar à fala com ela, mandando-lhe recado por um amigo que também por lá estava, dizendo-lhe que minha mulher era Goesa. Recebeu-me e conversámos durante quase duas horas.

    Como se tratava de conversa e de troca de opiniões e de impressões, prometi-lhe que não escreveria nada, a pedido dela. Guardei-a comigo. Refiro-a agora, só agora. ...

    Qjs = queijinhos = beijinhos

    ResponderEliminar
  8. Ela conhece como poucas pessoas as entranhas ocultas das pessoas e os seus mistérios.

    ResponderEliminar
  9. Sara,
    Este seu post obrigou-me a vasculhar na prateleira, onde se abrigava uma edição de 1985 de A Obra ao Negro, da responsabilidade da Publicações D. Quixote. Na altura, ainda muito jovem e acabadinho de ler o belíssimo Memórias de Adriano, Yourcenar era referência. E ainda é. Mas faltava-me o estofo suficiente para o novo título. Li-o, é verdade, mas o desassossego foi constante.
    Agora que me traz a memória do livro, quem sabe, talvez surja a vontade da releitura.
    Obrigado.

    Beijo :)

    ResponderEliminar
  10. ... tudo é tão frágil...

    que nos valha sonhar

    Boa memória

    ResponderEliminar
  11. Alguém um dia disse, que sonhar é quando nos libertamos e somos quem realmente somos (e quão frágil somos)... talvez seja essa a necessidade de cada um.
    Esse trechinho, tao pequeno, me fez pensar muito!
    Adoro vir aqui e conhecer novos nomes (pra mim) na literatura, por isso já estou baixando o livro, ainda mais agora que ganhei essa semana um ebook reader (delícia!)

    * Desculpe, fui eu que deletei o coment acima, porque tinha escrito uma bobagem grossa.

    Beijos de cá!

    ResponderEliminar
  12. Voltei para dizer que essa tela do Picasso está um primor!

    ResponderEliminar
  13. Lembra-me os versos de Sérgio Godinho: "em sonhos, é sabido, não se morre. Aliás, essa é a única vantagem"... :)

    Beijinho grande e uma óptima continuação!

    ResponderEliminar
  14. Os sonhos são muitas vezes uma fuga ao insuportável, outras vezes uma âncora, um caminho, uma força.
    Que bom trazeres Yourcenar,a mulher sábia cujos livros devorei e que tanto me ensinaram...

    ResponderEliminar
  15. Eu já suspeitava meu comentário ia sumir, com a "manutenção" do Blogger que fez desaparecer muitos. Que pena, já nao lembro o que comentei.

    Beijos Sara, bom sábado!

    ResponderEliminar
  16. Se se considerar um sonho como a sublimação de algo que ainda não foi conseguido, como algo que rendo ocorrido necessita de ser trabalhado para que a solução encontrada seja melhorada ou reformulada, então o sonho é um excelente recurso que está disponível.

    Sonhar com essa capacidade significa que a doença ainda não subjugou o paciente e este mantem bem viva essa capacidade de desejar.

    A Yourcenar é uma garantia de leitura superlativa.

    Bjs, Sara

    ResponderEliminar
  17. Que bom que esta memória de Yourcenar foi do vosso agrado. E se o excerto foi, de alguma forma, um incentivo à revisita da obra, então este post já ultrapassou largamente as minhas melhores expectativas.
    Obrigada pelos vossos sempre estimulantes comentários.
    Uma óptima semana para todos! :)

    ResponderEliminar
  18. Um livro é uma fonte de saberes, por mais mau que seja.
    Sonhar, se aos sonhos nos referimos, eu sonhei que voava e acabei por estar três anos na FAP. Voei em quase tudo o que havia naquele então, que tinha hélices, quantas experiências, quase todas boas.
    Os outros sonhos são quimeras...
    Uma boa eleição de autora e de texto.
    Abraços de amizade

    ResponderEliminar